fbpx
Postado por Selma Arau No comments

Sabe aquilo que eu sempre falo sobre sexo ser a melhor coisa do mundo? Você não concorda comigo? Pois é, por isso, quando o assunto é nossa vida sexual, vale a pena apostar em tudo que pode nos proporcionar prazer. Fantasia e fetiches postos em prática, por exemplo.

É claro que antes de o casal começar colocar as ideias, vontades e desejos em prática é preciso uma boa conversa. Além disso, é preciso que haja bastante cumplicidade, confiança e respeito de ambos. Ninguém é obrigado a fazer o que não quer, deve haver um consenso. O casal deve discutir o que pretende fazer e concordar mutuamente.

Entendido tudo isso, é hora de conhecer formas de esquentar e apimentar a relação sexual, com fantasias e fetiches. Preparada?

Fantasias e fetiches: como esquentar o sexo

O primeiro passo é entender a diferença entre fantasias e fetiches. São coisas distintas, apesar de muitas vezes serem confundidas como uma só. Entenda.

O que é fetiche

Fetiche, no contexto sexual, é atração, excitação e facilitação do orgasmo por meio de algum objeto, que pode ser uma fantasia ou uma parte do corpo (não genital). São exemplos de fetiche: salto alto, lingerie ou pés.

Quem tem um fetiche tem que ter em suas mãos o objeto do fetiche ou fantasiar sobre isso, sozinho ou acompanhado. Esse objeto ou parte do corpo desperta sensações sexuais, promovendo uma ereção ou um orgasmo.

O que é fantasia

Fantasiar é ter vontade de fazer algo, imaginar uma situação altamente excitante. Sexo a três, por exemplo, é uma fantasia, e mesmo que a pessoa não realize, ela pode imaginar a situação e ficar excitada com isso. Na fantasia não precisa que seja realizado o ato planejado.

Exemplo prático da diferença entre fantasia e fetiche

Imagine uma mulher vestida com uma roupa sensual de látex, aquele material emborrachado e brilhante. Quem fantasia com a companheira em uma roupa dessas vai amar ter sua fantasia realizada. Já quem tem fetiche pelo material, vai se realizar tocando na roupa, sentindo o tecido.

Apesar de o fetiche não ser considerado um distúrbio, é preciso estar atento ao nível de que pode chegar. Caso se torne obsessão ou algo fora de controle, e comece a causar dor e sofrimento, deixa de ser algo legal e passa a ser algo a ser tratado. Por isso comentamos anteriormente sobre a cumplicidade entre o casal e sobre estabelecer limites.

Tipos mais comuns de fetiche

Fetiche com pés

Normal entre homens, este fetiche está relacionado a qualquer tipo de interação com os pés: acariciar, cheirar, lamber (acredite!). Fetichistas usualmente gostam que a parceira use salto alto durante o sexo.

Voyeurismo

O voyeur se excita ao ver outras pessoas fazendo sexo ou somente vendo corpos nus. Este tipo de fetichista pode chegar ao orgasmo tanto se masturbando quanto pelo estímulo visual, sem mesmo tocar seu corpo.

É preciso ter cuidado com essa prática, pois se deve respeitar a privacidade do outro. No entanto, nada impede que casais fantasiem com esse fetiche e finjam que estão “espiando” o parceiro sem que ele saiba, em momentos íntimos ou mesmo se masturbando.

Exibicionismo

Este tipo de fetichista gosta de ser observado, enquanto anda nu pela casa ou durante o ato sexual. Mesmo que não tenha ninguém observando, somente o fato de poder ser visto, já o excita.

Entretanto, assim como acontece com o voyeurismo, é preciso cuidado. Não dá para, por exemplo, ficar nu na frente de casa, pois há o risco de ter sérios problemas com vizinhos ou ser acusado de atentado ao pudor.

Seja qual for o tipo de fetiche, não há problema em realizá-lo, desde que seja dentro das regras do bom senso e sem que não magoe ou machuque ninguém.

Tipos de fantasias mais comuns

Uso de fantasias

Você sabe que alguns personagens mexem com o imaginário feminino e masculino, não sabe? Bombeiro, enfermeira, médico, encanador, policial, noiva sexy, colegial…esses são alguns exemplos.

Além da fantasia (a vestimenta), o que também estimula e excita é a encenação. Simular situações é altamente excitante. O casal pode criar cenários e histórias e obter muito prazer com isso.

Ménage à trois

A fantasia mexe com o imaginário. Assim, mesmo que o casal não chegue a um consenso sobre levar para a vida real, pode imaginar que a está realizando. Se existe, por exemplo, a vontade de um ménage (sexo a três), mas não se sentem preparados para praticar, podem fazer de conta que há outra pessoa na cama.

BDSM

BDSM são práticas de bondage e disciplina, dominação e submissão. São práticas consensuais e exigem experiência e muito conhecimento. Por isso, se o casal tem vontade de experimentar, deve apostar em uma versão, como amarrar as mãos do parceiro na cama com um lenço, ou usar algemas (vendidas em sex shops).

Nada de se empolgar com o quarto vermelho de Christian Grey, de 50 Tons de Cinza, viu? Filme é ficção, mesmo que trate de temas reais. Não dá para romantizar demais nem levar tudo “ao pé da letra”.

Como eu disse, use práticas leves, se gosta de dominar, por exemplo, ordene, já nas preliminares, que o parceiro deve receber as carícias sem poder lhe tocar. Ou se submissão é sua fantasia, diga ao parceiro que é seu dia de sorte, pois ele pode pedir o que quiser (sempre em comum acordo, não esqueça!).

Minha dica final: em lojas especializadas há vários tipos de brinquedos para qualquer tipo de prática, inclusive de BDSM (nada de sair de casa ainda, conheça os sex shops online).

Agora é com você, me conte:

  1. Você tem algum fetiche ou fantasia?
  2. Quais fantasias sexuais já realizou?
  3. Do que seu parceiro gosta e lhe pede, mas você ainda não considerou fazer?
  4. Tem dicas para adicionar à nossa lista de fantasias e fetiches?

Use o espaço dos comentários e divida suas experiências! Compartilhe nosso artigo.

Nos vemos no próximo post!


1 Comentário

Não há comentários sobre este post ainda. Seja o primeiro!

Deixe um Comentário

Sou escritora, com publicações na Europa, Colunista, Life Coach e Consultora de Relacionamento, Sexualidade, Carreira, Palestrante para empresas, universo feminino e casais. Sou ainda orientadora Sexual formada pelo Cesex – filiado a WAS (World Association Sexology), tenho Formação Internacional em Análise Bioenergética (in training).